Saturday, March 11, 2017

Réquiem para um sonho


            Harry e sua namorada Marion sonham em abrir uma loja de roupas. Tyron, o amigo de Harry, só quer um pouco de paz e felicidade. Sara Goldfarb, a mãe de Harry, sonha em aparecer na tevê com  seu vestido vermelho. Requiem for a dream é sobre o que as drogas fazem com os sonhos desses quatro personagens.

            Réquiem para um sonho (EUA, 2000) estreou em novembro de 2001 nos cinemas brasileiros, contando com 6 salas na estreia. Seu público total no Brasil foi de apenas 35.335 pessoas.
     É, portanto, um daqueles filmes mais do que alternativos, que pouca gente se dá ao trabalho de assistir, mas, quando assiste, das duas, uma: ou odeia e desiste no meio do filme ou passa a admirá-lo.
Eu me enquadro na segunda categoria, na verdade é um dos filmes que eu mais cultuo, e, na minha estante de dvds, está na seção de "Amores doentios". (Assisti ao filme três vezes seguidas na primeira vez que o aluguei, talvez porque refletisse meu estado de espírito na época, em que um relacionamento escorria pelo ralo.) (Muita informação, concordo.) (Mas isso ajuda a explicar porque certos filmes são importantes na vida de alguém.)
  Adaptação do livro homônimo de Hubert Selby Jr., é o segundo filme do jovem diretor Darren Aronofsky, premiado em 1998 no Festival de Sundance pelo suspense "PI".

            Só câmeras e cortes originais não bastam para denotar um diretor de futuro. Saber conduzir o roteiro e permitir um grande trabalho dos atores é essencial. Ellen Burstyn, que encarna a mãe do protagonista, teve a atuação premiada. Nos extras, compara Aronofsky a Scorsese e Fellini. Exagero ou não, é um filme que não vai deixar o espectador sem reações.

            O filme é uma "fábula urbana" que se passa em três estações. Uma cena chave do filme é a visita de Harry a sua mãe, no fim do verão. Com dinheiro no bolso pela venda de drogas, quer dar a ela uma surpresa: irá presenteá-la com uma TV nova. Percebe o ranger de dentes da mãe e aconselha ela a parar de tomar as pílulas dietéticas. Vem o outono e a transformação da solitária Sara é aterrorizante.
           
O próprio Harry, vivido por Jared Leto, que emagreceu doze kg para o papel, entra numa espiral descendente, junto com a namorada Marion (Jennifer Connelly, Oscar de atriz coadjuvante por Uma mente brilhante) e o amigo Tyrone (atuação surpreendente de Marlon Wayans, de Todo mundo em pânico). A falta de heroína os leva a atos de puro desespero. Pode ser que você não aguente a barra e aperte o stop. Mas se você suportar até o inverno, irá presenciar os vinte minutos mais perturbadores do cinema contemporâneo.

            Importante no impacto do filme é a música de Clint Mansell, interpretada pelo quarteto de cordas Kronos Quartet. Desde Peter Greenaway e Michael Nyman não havia um casamento tão perfeito entre diretor e compositor, imagem e som. Mansell criou uma melodia impregnada de angústia – a trilha ideal para a trajetória de Harry.



No comments: